sexta-feira, 14 de março de 2008

Mitos: aborto seguro




Um dos mitos mais curiosos ligados ao aborto continua a ser a alusão ao aborto seguro. Este mito é frequentemente propagado através de referências a vários estudos que provam que o aborto é 10 vezes mais seguro que um parto, sem no entanto referir quais os estudos que o demonstram.

O mito propaga-se na forma de um argumento popular e acaba muitas vezes por ser apresentado como informação verdadeira, apesar de ser incorrecta. Mas como refere uma recente publicação sobre medicina e lei, ainda não foi provado que a gravidez e o parto são mais perigosos do que o aborto. (1)

Porque será então, que o mito persiste? Propaganda é a resposta, e conveniência parece ser o motivo.

Na verdade, a prática do aborto induzido pode ser mais ou menos perigosa, dependendo das condições com que é realizado, as condições de saúde da mulher, e outros factores não relacionados com o método em si. Mas aborto seguro é certamente um mito. O facto de várias mulheres se submeterem a esta prática e aparentemente não apresentarem problemas imediatos, não a torna num procedimento seguro. Todos os problemas associados já referidos, quer físicos quer mentais, mostram precisamente que rotular o aborto de prática segura, para além de um mito, é um logro.


1. [Anon] and Grp, D.L.S. (2001). Abortion, information & the law: What every doctor needs to know. Issues in Law & Medicine 16(3):283-284.

Issues in Law & Medicine é um jornal científico cujas publicações são sujeitas a um processo de avaliação realizado por um painel de cientistas e médicos nos campos em questão. O artigo acima mencionado conclui existirem fortes razões médicas para tratar o aborto como um procedimento não-terapêutico e potencialmente perigoso, com o qual médicos conscienciosos escolheriam não se envolver.

Fonte: http://aborto.aaldeia.net/abortoseguro.htm

Nenhum comentário: