sexta-feira, 21 de maio de 2010

Atriz francesa que considerava Igreja “poeirenta” diz tê-la descoberto “viva” após documentário




abril 28th, 2010


Gaudium Press


Cena do documentário “Em nome do Pai”
“Para mim, a Igreja evocava algo poeirento e sinistro. Descobri que ela era viva, encarnada por pessoas inteligentes e boas”. Essa foi a conclusão a que chegou a atriz Virginie Ledoyen, após acompanhar três seminaristas da diocese de Paris para o documentário “Em nome do Pai”, que estreou semana passada na tv francesa e do qual é co-diretora.

A entrevista de Ledoyen à luz do premiére do documentário foi repercutida por vários jornais franceses, como Le Parisien, Le Figaro, La Croix.

Durante um mês e meio a atriz e “neo-diretora” acompanhou três jovens candidatos ao sacerdócio, em suas mais variadas atividades, para entender “os mistérios da vocação”.

O documentário foi realizado como uma verdadeira investigação. Na entrevista, a jovem diretora confessou não ter nenhuma formação religiosa e sequer ter começado a questionar seu ateísmo. Ainda assim, no entanto, não sendo nem mesmo batizada, disse sempre ter tido fascinação pelo fervor religioso demonstrado por algumas pessoas.

Ela revelou que antes de realizar o documentário tinha a ideia de que a “Igreja evocava algo poeirento e sinistro”. “Descobri que ela era viva, encarnada por pessoas inteligentes e boas”. Interessante conclusão que demonstra, assim como o testemunho pessoal, sem temor, o argumento de primeira qualidade para a catequese.

Nenhum comentário: